Home / Bem-estar / Por que o azeite costuma ser recomendado em muitas dietas como uma opção melhor em comparação com outros tipos de óleos de cozinha?
O azeite de oliva extra virgem é a melhor opção para cozinhar

Por que o azeite costuma ser recomendado em muitas dietas como uma opção melhor em comparação com outros tipos de óleos de cozinha?

As dietas saudáveis geralmente recomendam o azeite de oliva como a melhor opção em comparação com outros óleos, tanto para consumo puro quanto para cozinhar os alimentos.

Neste artigo, vamos nos concentrar nas propriedades que fazem do azeite de oliva a melhor alternativa para cozinhar de maneira saudável.

O azeite de oliva extra virgem é a melhor opção para cozinhar

Composição do azeite de oliva

Tradicionalmente, o azeite de oliva é obtido por meio da moagem e do refinamento de azeitonas frescas e limpas. Com o surgimento de novas tecnologias, a pasta da azeitona resultante da moagem passa por outras etapas para dar origem ao azeite de oliva que é comercializado.

O azeite de oliva extra virgem é aquele que não foi refinado, possui pouca acidez e conserva muitos dos atributos organolépticos e nutricionais das azeitonas.

O azeite de oliva extra virgem se destaca por quatro nutrientes principais:

  • Gorduras monoinsaturadas
  • Vitamina E
  • Polifenol
  • Fitosterol

O azeite de oliva tem diferentes tipos de ácidos gordurosos em sua composição, mas predominam as gorduras insaturadas, principalmente o ácido oleico. Os ácidos graxos monoinsaturados são as melhores gorduras que existem para a saúde porque reduzem os níveis do colesterol ruim (LDL) no sangue e mantêm os níveis do colesterol bom (HDL) estáveis. Isto é muito importante, uma vez que as gorduras saudáveis, como o ômega 3, reduzem o colesterol ruim, mas também diminuem os níveis do colesterol bom, o que não é benéfico, pois a função do colesterol HDL é remover as partículas de colesterol LDL do sangue e evitar que estas se acumulem no interior das artérias sob a forma de placas ateromatosas.

A vitamina E é um potente antioxidante que neutraliza os radicais livres e reduz o dano oxidativo que causa doenças e envelhecimento.

Os fitosteróis inibem parcialmente a absorção do colesterol proveniente dos alimentos, enquanto os polifenóis agem como antioxidantes, assim como a vitamina E.


O azeite de oliva extra virgem é a melhor opção para cozinhar

Além da excelência de seu perfil lipídico, o azeite de oliva extra virgem é a melhor opção para cozinhar porque possui a maior atividade antioxidante, isto é, apresenta os níveis mais altos de vitamina E e polifenóis.

Por serem antioxidantes, a vitamina E e os polifenóis fazem com que o azeite resista melhor às altas temperaturas e evita a deterioração e a alteração de seus ácidos graxos. Acontece justamente o contrário com outros óleos vegetais. Após o aquecimento, suas gorduras se deterioram e resultam na formação de gorduras trans e compostos tóxicos chamados aldeídos.

Os aldeídos formados pelo aquecimento dos óleos de sementes (ou gorduras animais) a altas temperaturas e por sua reutilização na cocção de outros pratos (por exemplo, alimentos fritos ou refogados) são muito prejudiciais para a saúde e estão associados a maiores riscos de desenvolvimento de câncer e doenças neurológicas. Por outro lado, as gorduras trans estão relacionadas a níveis mais altos de colesterol e maior probabilidade de surgimento de doenças cardiovasculares.

Graças à vitamina E e aos polifenóis antioxidantes, o azeite de oliva extra virgem resiste a temperaturas de 180°C e não formam gorduras trans ou aldeídos tóxicos. Portanto, é a alternativa mais saudável para fritar ou refogar alimentos.

Dicas para cozinhar de maneira saudável com o azeite de oliva extra virgem

Embora o azeite de oliva extra virgem seja a melhor opção para cozinhar, alguns conselhos podem otimizar seu uso:

  1. Em frituras ou refogados, o azeite deve estar muito quente antes da submersão do alimento para formar rapidamente uma crosta dourada em sua superfície. Isso é muito importante, pois o ingrediente absorve a maior quantidade de gordura no período que vai do início da cocção até a formação da crosta. Depois disso, a absorção é muito menor.
  2. Embora o azeite de oliva extra virgem possa ser reutilizado algumas poucas vezes antes que as gorduras sofram uma deterioração significativa, o ideal é utilizá -lo apenas uma vez para manter sua qualidade nutricional.
  3. Guarde o azeite de oliva em ambientes protegidos da luz, da umidade e do calor para evitar que suas gorduras fiquem rançosas e deixem um sabor e um cheiro muito desagradáveis.

Check Also

A dieta mediterrânea evita o refluxo

A dieta mediterrânea evita o refluxo

Uma dieta baseada no consumo de alimentos da dieta mediterrânea e da água alcalina conseguiu …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *